Skip to main content

Linhas de Animismo Futuro

Terminei a última seção essa tarde e escrevi assim:

Os animismos são em geral exercícios de ressuscitamentos políticos. Trata-se de exercícios de descolonização, mas também de ampliação do âmbito do político deixando de lado a suposição de que há blocos apolíticos de inanimação com os quais só se pode negociar desde o lado de fora. Nesse sentido, são desnaturalizações do direito, não em favor de um direito positivo constituído, mas que façam prevalecer os momentos de constituição mesma de um direito. Assim, o movimento do ressuscitamento talvez seja um movimento que tenha que vir de muitas direções, das direções que estão sendo reanimadas. Trata-se de pensar no corpo em seus múltiplos pequenos movimentos que podem ser ecoados ou suprimidos. O corpo, ou o mundo animado, demanda uma escuta. Uma escuta de sujeitos entre assujeitados, uma escuta anciã e também ciborgue. E além da escuta, uma amplificação. Tatsumi Hijikata, um dos mais extremos inventores da dança butô, procurou entender no movimento do corpo os movimentos da inanimação e do ressuscitamento. Ele se interessa pelo gesto do corpo já posto em inanimação, encontrar o movimento milimétrico, o começo hesitante e imperceptível e amplificá-lo sem perder dele sua direção e sua novidade. Ele considera nossos corpos como cadáveres onde a vida é um resquício, e desse resquício é que se faz o movimento. Sua dança é a dança do ressuscitado, antes mesmo de ganhar a vida, antes mesmo de qualquer propósito. O butô, como tem defendido Caroline Marin, é o animismo pensável em uma era em que o fim do mundo, gradual e implacável, é notícia corriqueira.

Antler, em seu Follow Orders, prescreve a receita do desastre:1

Faça miniatura das grandes árvores, domestique flores selvagens,
cubra-as todas de plástico, ponha os botões sobre fios de cobre.
Compre a água, compre a terra, compre o céu.
Venda a água, venda a terra, venda o céu.

A receita termina com “Entre na sua limosine de muitos metros, jogue mil dólares
e grite ao motorista: 'Próximo universo, por favor.'”. Os animismos talvez possam ser entendidos da seguinte maneira: o que acontece quando não podemos comprar? Aquilo que não se compra, pede um outro tipo de tratamento – de trato. É nesse momento que começa a animação que vem, que é como a grande conversa – tendo em conta que é uma conversa entre sujeitos que vivem, desde sua gênese até seu apocalipse, em uma Torre de Babel maior que a Arca de Noé e talvez do tamanho de Gaia.


Comments

Popular posts from this blog

Giving Birth

This is a month of giving birth: 1. On the first day of the month (my birthday) I sent out my book BUG (Being Up for Grabs) to publisher. A birth-giving moment. 2. On the forth, we started the Journal, called Journal of Questions. It is a Jabèsian and Jarryian endeavor that intends to reflect in many languages about the gaps between thought and translation. It will be available soon. 3. On the 10th, day before yesterday, offspring Devrim A. B. was born. Her name means revolution in Turkish and is a roughly common name. She's very attentive and concentrated - especially on her own fingers that she learned to molest in her youth during her womb months. She was gestated together with BUG. Hope the world enjoys.

My responses to (some) talks in the Book Symposium

Indexicalism is out: l https://edinburghuniversitypress.com/book-indexicalism.html   The book symposium took place two weeks ago with talks by Sofya Gevorkyan/Carlos Segovia, Paul Livingston, Gerson Brea, Steven Shaviro, Chris RayAlexander, Janina Moninska, Germán Prosperi, Gabriela Lafetá, Andrea Vidal, Elzahrã Osman, Graham Harman, Charles Johns, Jon Cogburn, Otavio Maciel, Aha Else, JP Caron, Michel Weber and John Bova. My very preliminary response to some of their talks about the book follows. (Texts will appear in a special issue of Cosmos & History soon). RESPONSES : ON SAYING PARADOXICAL THINGS Hilan Bensusan First of all, I want to thank everyone for their contributions. You all created a network of discussions that made the book worth publishing. Thanks. Response to Shaviro: To engage in a general account of how things are is to risk paradox. Totality, with its different figures including the impersonal one that enables a symmetrical view from nowhere

Hunky, Gunky and Junky - all Funky Metaphysics

Been reading Bohn's recent papers on the possibility of junky worlds (and therefore of hunky worlds as hunky worlds are those that are gunky and junky - quite funky, as I said in the other post). He cites Whitehead (process philosophy tends to go hunky) but also Leibniz in his company - he wouldn't take up gunk as he believed in monads but would accept junky worlds (where everything that exists is a part of something). Bohn quotes Leibniz in On Nature Itself «For, although there are atoms of substance, namely monads, which lack parts, there are no atoms of bulk, that is, atoms of the least possible extension, nor are there any ultimate elements, since a continuum cannot be composed out of points. In just the same way, there is nothing greatest in bulk nor infinite in extension, even if there is always something bigger than anything else, though there is a being greatest in the intensity of its perfection, that is, a being infinite in power.» And New Essays: ... for there is ne